© www.arabiantreasuregroup.com.br

News


Origem da raça - parte II

   
Grandes studs A paixão pelo cavalo levou faraós, reis, imperadores e uma série de homens poderososa colecionar o que havia de melhor. Preços fabulosos, resgates de príncipes, e mesmo cidades inteiras foram trocadas por esplêndidos animais, quando não eram arrancados a preço de sangue. Depois do esplendor dos faraós, temos notícias dos grandes studs nos séculos 13 e 14, como Baybards, o sultão que mandava colocar sedas preciosas no chão para que seus cavalos desfilassem. O sultão Nacer Ibn Kalaoun (1300d.C.)pagava fortuna pelos animais, trazidos de todos os cantos do seu reino como sendo os mais perfeitos: uma potranca ,filha da égua El Karta, foi paga com cem mil dracmas em ouro, mais uma parte em terras na Síria ( este valor em dracmas daria hoje mais de 5,6 milhões de dólares). Quando o sultão Barkuq faleceu ( século XIV) haviam sete mil éguas em suas cocheiras. Depois o Egitofoi subjugadopor invasores e os grandes studs voltam a aparecer com Mohammed Ali, em 1805. Até então, as tribos nômades , permanentemente em guerra,mantêm suas éguas como parte da família,alimentando-as com tâmaras e leite de camelo, e dormindo em sua tenda . Por esta razão os animais dóceis foram preservados. O beduíno tem o cavalo como parte de sua vida e sobrevivência. E assim o cavalo árabe vem sendopreservado através das idades , passada a tradiçao de pais a filhos, como o fogo conservado com tanto sacrifício entre os homens primitivos.Em 1815 Mohammed Ali, um dos chefes turcos que entãodominavam o Egito,mandou um exército chefiadopor Ibrahim Pasha, seu filho, contra o poder crescente dos wahabis,em Najd. Depois de bem sucedida essa invasão, Ibrahim Pasha voltou para o Egito trazendo consigo duzentas explêndidas éguas e os garanhões captirados em Ryas e outras cidades do Nejd.Estes magníficos animais representavam o sangue mais puro das tribos do deserto e foram aumentar a glória dos estábulos reais de Mohammed Ali. Uma segunda expedição, mais organizada, também comandada por Ibrahim Pasha , penetrou novamente na Arábia capturando Touryf, e com isto, o stud inteiro de Saoud, o rei wahabi.Estes animais deram a Ibrahim Pasha a possibilidade de estabelecer seu próprio stud. Assim , o Egito possuía novamente dois grandes criatórios, com o materialmelhor e mais refinado da Arábia. Os viajantes no Egito que tiveram o privilégio de visitar os studs de Mohammed Ali e Ibrahim Pashaeram unânimes em constatar a beleza espetacular dos animais ali reunidos. Porém , as condições em que estes animais eram mantidos deixavam os visitantes indignados. Estábulos pouco ventilados e sujos, com poucos homens para cuidar; na maioria garotos, que além de não os soltarem nem cuidarem da limpeza , ainda roubavam a comida destinada aos animais. Muitos morreram , e pouco a pouco a qualidade foi decaindo.Alguns foram enviados como presentes a príncipes estrangeiros,mas o destino cuidou para que tudo não fosse perdido.
 
 
Following five years of planning and assembly, it was swiss replica watches delivered in 1933 to its customer, Henry Graves Jr., a millionaire banker and avid watch collector from New York responsible for some of the most valuable Patek Philippe watches on earth. The watch held the title of the most complicated watch for over six decades, until replica watches sale 1989. And while it was deprived of that title by another creation of Patek Philippe, the Supercomplication swiss replica watches managed to claim yet another record title in 1999 as it sold for just a bit over 11 million US dollars at a Sotheby's auction. On the 11th of November, 2014, Sotheby's has re-auctioned the Patek Philippe Supercomplication, selling it replica watches sale for a staggering 20.6 Million Swiss Francs, making the final price $23,984,106 US Dollars replica watches including buyer's premium. This has made this magnificent watch the world record holder yet again as the most expensive timepiece ever sold.